Portugal 3.0
com Álvaro Costa
2014-06-25 14:47:56

Dominadora Profissional

Dominadora Profissional
"Olá! Quero dizer-lhe que aprecio bastante o seu trabalho e a forma clara como fala em televisão de sexualidade sem tabus.

Gostaria de uma ajuda. Há algum preconceito por parte de muita gente em relação ao BDSM. Sou Dominadora profissional e nas minhas sessões não há sexo. Não considero prostituição, é apenas dominação. Mas para algumas pessoas é a mesma coisa. Talvez porque algumas prostitutas fazem dominação também. É diferente ser Dominadora e fazer dominação. Pode divulgar a minha página e escrever uma pequena nota sobre esse assunto? Ou um post a falar disso, ou quem sabe outra coisa em que eu possa participar para esclarecer com a sua ajuda? Muito obrigada! Cumprimentos!"

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-06-25 14:41:27

Pensar em sexo durante o dia.

Pensar em sexo durante o dia.
"Bom dia novamente,

Antes de mais deixem-me dar-vos os sinceros parabéns pelo vosso serviço prestado, a hora do sexo deveria ser "obrigatória" como disciplina escolar, pois chega de tabus e de censuras!! O sexo é delicioso e faz lindamente à saúde, não só física como psíquica!!

Tenho algo a acrescentar ao relato anterior, pois ontem estive a falar com a minha companheira bastante tempo sobre o assunto e realmente preocupou-me bastante, pois questionei-a se sentia desejos durante o dia de sexo, do género estar no trabalho e pensar em mim e sentir um forte desejo sexual, e ela diz que não, nunca sente nem nunca sentiu, apenas quando tinha o desejo de engravidar é que sentia esse forte desejo de sexo durante o dia, apenas fica "predisposta" para o sexo quando sou eu que "puxo" por ela, mas que para ela o sexo é muito bom e atinge o orgasmo várias vezes durante o acto. Oiço o vosso programa já vai nuns anitos e oiço relatos de várias mulheres que têm os "desejos" e a vontade, mas na minha companheira não é mesmo o caso, e a nossa relação poderá deteriorar-se por falta de sexo. Amo-a muito e estou disposto a lutar pelo nosso bem estar e pela nossa relação.

Agora será que tem o desejo sexual hipoativo? Serão problemas hormonais? Qual poderá ser o problema?  Ela diz que me ama muito que fui o único homem da vida dela, e que não me quer perder, e farta-se de chorar por não "corresponder", tentei explicar-lhe que se calhar necessitava de "ajuda".

Dr. Quintino, desde já lhe agradeço e gostaria de saber o que me aconselha neste caso? Psicólogo? Andrologista? Ginecologista?

Cumprimentos"

Audio



por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-06-25 14:38:22

A ereção do meu parceiro.

A ereção do meu parceiro.
"Olá , boa tarde

vou ja direta ao assunto :
Fui casada 26 anos e a minha sexualidade correu sempre bem . o meu ex marido tinha uma ereção mt forte , mas o sexo durava pouco tempo . adaptamo -nos assim um ao outro e corria bem .

agora tenho um parceiro extraordinário que me da horas de prazer , tem um desempenho extraordinario mas , a sua ereção n é nc , nem de longe igual á do meu ex marido a que eu estive mts anos habituada e vai perdendo e vai ganhado durante o acto . claro são 2 pessoas e por isso são diferentes , até aqui td bem ! o problema é que na hora do orgasmo faz-me falta mais ereção. esta relação é recente e temos vindo a melhorar . mas mts vezes sinto ainda essa falta . a pergunta é a seguinte ; isto contorna se com o conhecimento do outro e com o dialogo ? e como de diz a um homem que precisa de mais ereção sem ter de mencionar o ex .

quero aproveitar para dizer que tenho aprendido mt com estas cronicas , mts vezes partilho as por acha-las de grande utilidade . O meu bem haja."

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-06-25 14:24:44

Maneiras de atingir o orgasmo.

Maneiras de atingir o orgasmo.
"Olá!

Adoro o vosso programa e comecei a ouvi-lo desde que iniciei o meu namoro com o meu actual namorado e já lá vão dois anos. Sempre que possível ouvimo-lo juntos e quando não estamos juntos, avisamo-nos mutuamente para que o outro possa ligar a rádio a tempo de iniciar o programa.


A nossa dúvida prende-se com o facto de termos uma vida sexualmente muito activa, falamos muito um com o outro sobre o que gostávamos de experimentar - desde brinquedos sexuais, a novas posições, a ter mais alguém na relação, etc... - mas sentimos que no verão ele tem mais predisposição para fazer sexo mais vezes. Enquanto que durante o inverno sente menos essa predisposição, fazendo-o apenas 2 vezes no máximo - pela manhã e à tarde ou à noite.

Gostávamos saber o que poderá ser, visto adorarmos os dois sexo.

Desejamos que todos os ouvintes sejam tão felizes sexualmente como nós somos e que o programa não acabe nunca."

Audio





por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-06-25 14:20:32

Baixar a ansiedade e conversar, conversar muito.

Baixar a ansiedade e conversar, conversar muito.
"Saudação enorme Raquel e Dr Quintino.

Ouço a Antena 3 desde os meus 13/14 anos, as primeiras emissões e de todos os programas que ouvi nesta emissora nenhum como A Hora do Sexo consegui ter o impacto como os outros tiveram. Parabéns!!


O meu pedido de ajuda e de esclarecimento é o seguinte, sou um jovem de 31 anos que ama loucamente a sua namorada, da mesma idade. Já a conhecia nos meus tempos do liceu e a partir daí nunca mais a vi. Apenas fixei para sempre o seu rosto e o seu sorriso. É então, que acerca de 5/6 meses através da rede social mais conhecida do mundo, "encontramo-nos". Foi a partir daí que nunca mais paramos de falar e de trocar mensagens ou sms.

Eu fiquei logo apanhado por ela, e ela por mim. O início foi rápido, muitos beijos apaixonados demos e eu ainda continuo muito apaixonado por ela.

Quando começamos a falar de sexo, ela questionou-me quando tinha sido a minha última vez. Respondi com toda a minha sinceridade e honestidade, que a minha última vez tinha sido há 6 anos. Ela ficou incrédula e achou que era uma mentira. Tentei sempre por tudo explicar que não, e que na verdade tive apenas uma única namorada de verdade na minha vida.
As primeiras vezes, fazer sexo, não foram nada boas. Eu antecipava-me em primeiro do que ela e ela ficava frustrada. Tentei várias vezes conter esses momentos de ejaculação, fazendo várias caricias e beijando-a pelo corpo todo (sexo oral) e até tem resultado. No entanto o mesmo problema tem aparecido e por vezes sinto que não a satisfaço como deve de ser, daí sempre a minha pergunta a ela e temo que isso seja verdade e ela não me admite.
Será do stress que ela tem tido por razões de trabalho?
Admito que a culpa é minha, pois na verdade tive uma única namorada, e na altura não fazia sequer o que faço com esta da actualidade, nem chega a metade. Já ela teve várias relações e das quais sempre com sexo, segundo ela.

O que poderei fazer para a satisfazer cada vez mais e mais vezes para assim evitar frustrações e quem sabe ela terminar a nossa relação por eu ejacular-me antes dela durante o acto?
Volto a fazer caricias antes do acto e só farei o acto assim que ela estiver no ponto de excitação?
Já me disse por duas vezes que precisava de um utensílio - vibrador - mas isso não quero, é fazer pouco de mim. O que faço Dr?

Ajude-me por favor.
Aguardo ansiosamente uma resposta sua.
Votos de um Bom Ano Novo e tudo de bom sempre para vocês."

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-06-25 14:16:00

Será esse o homem que quer?

Será esse o homem que quer?
"Boa Noite,

Eu, de 27 anos e ele de 33 anos. Conhecemo-nos há 3 meses atrás e vivemos a 300 km de distância.

Ele é casado (11 anos) e tem um filho de 4 anos. Eu não tenho nenhum relacionamento.

Desde essa altura temos trocado sms, telefonemas e já tivemos relações sexuais.

Falamos e dizemos um ao outro que estamos apaixonados. Ele diz que já não é feliz e que nada o prende ao casamento a não ser o filho.

Já conversamos acerca da possibilidade de ele deixar o seu casamento mas a situação mantem-se e eu continuo à espera que ele tome uma decisão.

O que devo fazer?"



Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2014-06-25 14:12:38

Coragem para experimentar a felicidade.

Coragem para experimentar a felicidade.
"Peço o vosso parecer acerca desta situação:

Eu de 32 anos

Ele de 40 anos. Conhecemo-nos tínhamos ambos uma relação.

Ele terminou de imediato o seu casamento (de 18 anos).

Eu demorei 2 anos a terminar o meu namoro apesar de manter, com ele, relacionamento.

Em Julho assumimos o tão desejado namoro. Nessa mesma altura "ele" começou a sentir-se confuso e com necessidade de estar sozinho. Diz que gosta de mim mas não sabe se me ama.

Decidimos, em Setembro, morar juntos mas atualmente estamos separados porque ele continua a precisar de estar sozinho para saber o que quer.

Gosto dele e queria que resultasse.

Perante esta situação como deverei agir.

Aguardo ansiosamente o vosso parecer."

Audio



por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2014-06-25 14:09:01

Números da natalidade.

Números da natalidade.
"Bom Dia, Dr. Quintino Aires e Raquel Bulha.

Porque é tão importante dar a Mulher e ao Casal a oportunidade/liberdade de escolher se querem ou não ter filhos? Não terá essa liberdade criado um impacto negativo na nossa Natalidade? Não deveríamos de promover a Natalidade ou invés de se promover a liberdade de escolha?"

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2014-06-25 14:03:42

Sexo no carro. Partilhas.

Sexo no carro. Partilhas.
"Sempre que vou a conduzir ouço a Antena 3, e como saio por norma do trabalho as 17:00 horas costumo ouvir "A hora do sexo" e tenho algumas histórias engraçadas, passando a partilhar duas delas: Cerca de uma semana antes do casamento, há vinte anos atrás,  e como tinha um carro comercial, somente com dois lugares portanto, pedi ao meu cunhado que me emprestasse o VW Passat dele para sair com a namorada, e fiz tal pedido precisamente porque tal carro é espaçoso atrás.

Fui com a namorada para  trás de uma capela e lá começamos aos beijos e, tira roupa prá qui tira roupa prá li, envolvemo-nos em harmonia. Estávamos em Janeiro. Era um local escuso e escuro, até porque tal capela fica fora da localidade, Foz de Arouce, a casa mais próxima é a cerca de cento e cinquenta metros.

A determinada altura, ouvi o barulho de um veículo e a aproximação de umas luzes, e fiquei parado na expetativa do que iria acontecer.

As luzes aproximaram-se demais e o barulho do veículo também, e imediatamente a seguir, alguém com uma lanterna batia no vidro da porta de trás do carro. Apercebi-me que era a GNR. À pressa puxei as calças para cima e ainda sai do carro a apertar os botões e o cinto, e afastei-me do passat, para tirar do interior do mesmo a atenção dos guardas, que afinal estavam ali, por ser um local de consumo de estupefacientes, sem que eu soubesse de tal pormenor.

Eu não tinha documentos e expliquei a situação, e retirei logo de seguida a carteira do porta luvas, pertencente ao meu cunhado, mostrando os documentos dele, e afastando-me novamente com os guardas, e eu já estava a notar que tudo estava resolvido, pela forma como os guardas já falavam comigo, o que acontecia de forma irónica. Preparava-me já para ir novamente para o carro, aconteceu algo que me deixou completamente sem chão. A minha namorada, abriu a janela do carro, e, a chorar, disse mais ou menos o seguinte: "Senhor guarda nós não estávamos e fazer nada, eu sou virgem e vou continuar virgem até ao casamento, e o casamento é daqui a uma semana, se o sr guarda quiser ver tenho aqui alguns convites."  E era verdade. Fiquei cm vontade de me enterrar chão abaixo. Os guardas foram embora a sorrir, já para não dizer que deram uma gargalhada quando ouviram tal, e imagino depois no posto a história a correr, até porque sou bastante conhecido na Vila onde habitava: Lousã.

Outra situação engraçada aconteceu precisamente já após o divórcio que ocorreu há cerca de doze anos. Encontrava-me com uma amiga no banco de trás do veículo, em Agosto, junto a um dos mirantes da serra da Lousã. Estava calor. Estávamos ambos nus completamente, e ela estava sentada de frente para mim, ligeiramente inclinada para o vidro lateral esquerdo encontrando-me eu com a mão numa na coxa esquerda dela, e com a minha mão esquerda em redor do pescoço dela enquanto trocávamos intensamente um beijo. Estávamos neste movimento de aquecimento já há algum tempo, gemidos para aqui, gemidos para ali, a ambiente era quente trocávamos algumas palavras "rastilho" que não vou aqui mencionar...

A determinado momento passou um veículo, e, por breves instantes a luz incidiu no carro onde nós estávamos alojados em tão arrojados movimentos, e por um instante que não durou um segundo, olhei de relance para o local de onde provinha a luz. No meio de toda essa luz estava uma sombra a cerca de três a cinco metros do nosso veículo. Imobilizada. Alta. Um boné ou chapéu de abas largas, tipo cowboy. Num segundo vê-se tanta coisa.

"Cala-te está quieta está ali alguém". Ela tapou-se, eu tapei-me.

Os instantes seguintes foram dramaticamente irónicos.

No meio de tanto silêncio o som dos nossos gemidos e gritinhos ter-se-ia estendido a muitos metros e garantidamente fomos ouvidos. Então, um a um, mesmo encostados ao carro, estrada acima passarem cerca de trinta escuteiros num silêncio sepulcral. Nem uma palavra nem um suspiro. Uns cinquenta metros acima, lá ouvimos nós então o início de troca de palavras entre eles, palavras essas que não conseguimos descortinar quais.

Nós riamos no carro.

Alguns anos mais tarde, através de um amigo meu, conheci uma amiga sua de Leiria que me disse que tinha sido escuteira, e que alguns anos antes no Verão tinha subido a serra da Lousã com o grupo de escuteiros, e que, numa bela noite...blá blá blá...

Eu escangalhei-me a rir. Revi-me na cena. Até me disse a marca do carro."

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-06-25 13:59:25

Filhos na cama dos pais...

Filhos na cama dos pais...
"Nunca é tarde para responder, para partilhar ideias e para esclarecer.

O que me motiva a escrever foi a emissão de 13 de Janeiro - Filhos na cama dos pais. É necessário mostrar também o outro lado!

Foi alarmante o discurso do Dr. Quintino e penso que com falta de maturidade no que diz respeito ás escolhas dos outros, e já agora, também ao tipo de estudos científicos a que tem acesso.

Faço desde já o pedido, em que agradeço muito que me pudesse facultar os estudos que citou sobre a relação entre ataques de pânico e dormir com os pais!

O que me pareceu a mim, é que este casal em causa, com filha ou sem filha estaria em crise! Neste caso a desculpa é a filha, mas poderia ser a televisão, ou outra coisa qualquer.

Não concordo nada que se humilhe esta mãe da forma como foi feita, pois ela apena ouve o seu instinto e o apelo do seu coração.

Aquela história do burro indeciso que morreu á fome, parece-me completamente despropositada, pois está-se a colocar no mesmo patamar filha e pai, numa visão simplista e infantil, em que o homem também "luta" pela atenção da mulher que faz também papel de mãe para ele, o que não faz sentido.

Dormir com filhos é uma escolha, uma escolha da família, do casal quando integro e não dividido na disfuncionalidade dos seus papeis.

Os estudos citados pelo Dr.Quintino, certamente não avaliam uma série de fatores como o facto dessas crianças dormirem com os pais,  não porque seja uma decisão da família mas sim uma luta constante.... E um não saber dizer que não. Porque também há estudos que provam que as crianças que dormem com os pais são mais seguras, mais assertivas e mais afetuosas...

É NECESSÁRIO MOSTRAR TAMBÉM O OUTRO LADO!!!!

Nós dormimos com os nossos filhos (3 anos e 18 meses)...é uma escolha, informada, que nos exigiu adaptação enquanto casal! Foi sim necessário reinventar o nosso espaço... e, porque estamos na "hora do sexo" afirmo...até pode ser aliciante! Só se faz amor na cama? Porque não na sala, na cozinha?

É importante dizer ao público que também há MÉDICOS pediatras que são a favor dos filhos dormirem com os pais...como o Dr. Carlos González que tem um excelente livro "Como criar os filhos com amor", isto sim, seria verdadeiro serviço público!"

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
A Hora do Sexo MP3 2014-07-28
A Hora do Sexo MP3 2014-07-25
Este é o blogue do programa "A Hora do Sexo". Aqui encontras muitas das dúvidas relacionadas com a sexualidade, mas mais importante do que isso, os devidos esclarecimentos e respostas. Bem-Vindo!

Contactos:

sexo@rtp.pt
Raquel Bulha (raquel.bulha@rtp.pt)
Quintino Aires (quintino.horadosexo@gmail.com)

Facebook



Audios

Ouve a Gala do 1º Aniversário

Ouve a Gala do 2º Aniversário com os ouvintes

Ouve a Gala do 2º Aniversário com os políticos
"Cenas Cortadas"
Consulta

Diário da República (regime de aplicação da educação sexual em meio escolar)
        
DomSegTerQuaQuiSexSab
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031