Antena3 BACKSTAGE

Este é o espaço que te dá conta de tudo o que se passa na rádio!
ANTENA 3


2008-12-16 07:36:34

Moonspell Tour - Europeia Dia 5

Dia 5 (Dia de folga, show em Dresden e em Weimar)

 

Regresso à Alemanha, regresso à neve, à escuridão, àquela "depressãozita" sulista e não ver e ter o sol a adentrar o frio e a aquecer a pele nem que só por um bocadinho. O dia de folga é mesmo isso: fazer o apenas essencial. Neste caso comer um buffet grego, ir às compras ao supermercado, beber uns canecos da bela cerveja alemã e adormecer a ver um filme no computador. As viagens até ao clube mantidas ao mínimo no dia de concerto, os pés não estão habituados à neve que por muito bela que seja não consegue emprestar ao sítio essa beleza e plenitude branca. Um pouco como o concerto que por muito calor transmita não consegue muito mais do que manter uma audiência morna por natureza no seu conforto mais imobilista quebrado pelo sempre bem-vindo aplauso.

 

O jantar de veado ao som de Gorgoroth tem um quê de natalício mas é tempo de ir embora de Dresden em direcção a Weimar, uma das terras mais importantes da cultura alemã, outrora capital do ducado.

 

Vejamos uma pequena lista dos residentes ilustres de Weimar:

Johann Sebastian Bach, Hector Berlioz ,Peter Cornelius, Marlene Dietrich, Johann Wolfgang von Goethe, Nina Hagen, Wassily Kandinsky, Paul Klee, Franz Liszt, Friedrich Nietzsche, Friedrich Schiller, Arthur Schopenhauer, Richard Strauss, Richard Wagner, Carl Zeiss...

Aliás há um feeling bastante cultural esta noite, já que o sítio concerto está mais propriamente para um CCB do que para uma sala rock. Aqui na terra de tanta ilustre gente os mundos misturam-se, em Portugal, separaram-se. Cá estão os Moonspell fazendo a sua pequena parte para unir culturas logo mais à noitinha.

por: Moonspell
Tags: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2008-12-10 13:19:13

Moonspell - Tour Europeia Dia 4

Dia 4 (Budapeste, sempre a rock'n'rollar)



Esta sala e este regresso a Budapeste tem um sabor nostálgico, não exactamente pelo facto de repetirmos esta sala talvez pela quarta vez, mas pela sua disposição e ambiente que nos remete para um cenário tipo Guerra Fria com todos estes interruptores gigantes que parecem fazer explodir alguma coisa se lhes tocamos. O camarim hoje é para partilhar com toda a gente, e apesar de ser grande é pequeno para tanta roupa, tantos objectos, tantas nacionalidades, tantos cheiros diferentes.



Mas é a entrar no camarim que me deparo com a primeira surpresa do dia: uma garrafa de água com a cara do Figo, sempre uma visão reconfortante para quem viaja. Já o tinha "visto" em dezenas de publicidade nos autocarros de Santiago do Chile. O dia esfuma-se num vaivém entre o camarim comunal, a sala de catering onde a melhor cozinheira da tour se gaba dos seus pratos e da sua variedade, depois do concerto veremos o apuro dos cozinhados e a meter-me com os gatinhos húngaros de pêlo comprido e poucas falas mas lindos, lindos.





Uma entrevista para o headbangers ball (MTV) local, algumas fotos mais, e falta pouco para irmos para palco num concerto que aguardamos com a expectativa de um dia sem acontecimentos de maior mas cuja noite promete. Amanhã folga o corpinho, a voz e os relatos mas ouvir-me-ão caso sintam saudades. Ahahahahahah!

por: Moonspell
Tags: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(2)
2008-12-09 09:05:34

Moonspell - Tour Europeia Dia 3

Dia 3 (Saarbrucken, dia de folga, Pratteln -Suiça- Bolonha e hoje Viena de Áustria)



Muita coisa se pode passar e ver a lista de sítios pelos quais passámos depois da última entrada aqui até a nós nos cansa! A tour corre de vento em popa com reacções excelentes até agora, destacando-se o concerto esgotado na Suiça (!), o calor sempre fascinante do público italiano em Bolonha e os igualmente bons mas mais mornos concertos na Alemanha e na Áustria. Verdade seja feita, as viagens nos EUA são bem mais ricas em "cromos" e situações do que a Europa dos brandos costumes. Dentro de portas as coisas, apesar da nudez, do black metal extremo, manicures e de alguns episódios menores dentro do dia, são de igual forma mais calmas e é possível ter uma vida quase aborrecida dentro do circo do rock and roll. A Corona aqui não sabe ao mesmo e o frio que se faz sentir por toda a Europa pouco faz para ajudar à aventura e ao descobrimento. Como dizia o outro, está-se bem, é na caminha.



O mais impressionante é a gradação entre povos tão próximos geograficamente como o da Europa. Uns dão tudo para fora, outros também mas mais interiormente. Certo é que a edição especial do DVD que trouxemos para vender já era e vale-nos a casa-de-banho inundada do backstage de Bolonha, as miúdas nuas que de vez em quando irrompem camarim dentro e algum vinho para manter o espírito e não nos tornarmos burgueses.

por: Moonspell
Tags: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2008-12-05 09:19:32

Moonspell - Tour Europeia dia 2

Paris (continuação) e Tilburg-(Holanda)






Paris teve um final feliz. Mesmo feliz. Usámos pela primeira vez as nossas projecções, a Anneke conseguia ouvir-se em palco, e a química com o público perfeita. Ainda bem, moléstia à parte! Acabámos a noite em família com a visita de Seth Torres, o mais novo rebento da família Moonspell (filho do nosso técnico de guitarra Towers que vive agora em Paris e nós arrancámos dos confortos do lar para ir connosco em tour!) a encher o autocarro com o seu charme infantil, dominando sobre metaleiros e góticos.





Depois da habitual kebab de despedida, da visita dos meus primos Isa e Franck, rumamos a Tilburg onde nos levantamos cedo para um pequeno-almoço tipicamente holandês numa loja de café, das deles, e de volta ao clube, evitando as bicicletas que por duas vezes quase me atropelam. Tilburg é uma cidade pequena mas que alberga um dos melhores clubes de rock do mundo, chamado 013, e onde tudo acontece mais ou menos na perfeição. Pela cominação entre público, som, condições e tratamento das bandas é quase impossível ter uma má noite aqui. E a nossa estrelinha (pentagrama) continua a brilhar por mais uma noite. Infelizmente tivemos que nos despedir da nossa convidada, a Anneke que fica em casa, com muita pena de parte a parte. Tanto que só ela fez brilhar aquele momento Scorpion Flower que o tubo registou e vos passarei o link antes de me despedir por hoje. Mas ela voltará...em breve.




Hoje vimos as primeiras neves da janela do autocarro e recebemos, com emoção, as primeiras cópias do nosso DVD Lusitanian Metal com que nos entretivemos a tarde toda. Em Portugal estará nas lojas a 15 de Dezembro. Hoje é o primeiro concerto na Alemanha. Amanhã folgamos. A estrada continua dentro de dois dias.

por: Moonspell
Tags: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2008-12-04 08:22:41

Moonspell - Tour Europeia - Dia 1

Depois da directa de Sexta, do frio do Montijo, do regresso a casa perante o "nosso" público fiel e mais que gentil para connosco; depois do Domingo de ternuras e descansos, o despertar de Segunda é tudo menos que generoso (4 da matina) mas lá chegamos a Londres, mais ou menos inteiros, para o primeiro dia de tour, preparados para o caos que se avizinhava.



Nada nos prepara suficientemente, é bem verdade. Mas apesar de tudo, sem esta ou aquela condição, as bandas são sempre feitas da atitude que tomam e a resposta esmagadora do público de Londres, não nos faz pensar muito se as nossas luzes especiais e elas para projecção estão perdidas no meio de Londres, ou se o PA acabou de ir abaixo. As pessoas gritam MOONSPELL e isso vale um milhão de efeitos especiais.



A noite acaba bem mais suave com a reposição do sono, uma garrafinha de Mateus, à conversa com o Dannny dos Anathema (que hoje encontrou o Jimmy Page na rua!!!), com a doce Anneke, que acaba de me oferecer uns churros Parisienses, com o autocarro estacionado na Rua Voltaire, um dos meus filósofos preferidos.



Magnifique. Let's Rock.

por: Moonspell
Tags: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2008-11-11 06:58:51

Moonspell - Final Day!



S.Francisco, Fim da tour.

Mesmo numa cidade fantástica como S.Francisco (Frisco para os amigos) é tempo de provar o fim, abraçar quem merece, trocar contactos, dizer palavras que tem o seu quê de triste, mas há nestes gestos uma esperança garantida de regresso, de novos encontros com a maioria destas pessoas. Para trás ficam cinco semanas, milhares e milhares de quilómetros percorridos (facilmente 10.000), os concertos, as reacções do público, as implicações, as desavenças, um novo presidente para os EUA, as refeições, muitas histórias e muitas histórias dentro dessas histórias que, felizmente, consegui partilhar convosco através deste blog e dos pequenos apontamentos no programa. Queria agradecer-vos a todos por terem lido, por terem ouvido e sentido, na esperança de que percebam melhor o que é a vida na estrada e que fundamentalmente inspire alguém para experimentar o mesmo. Não há nada como a vida na estrada em termos de experiência humana, é um tempo determinado, que passa ora muito lentamente, ora de uma maneira tão fulgurante que quase dá cabo da nossa sanidade.



Tentei aqui prestar-vos testemunho dessa experiência, de uma tour real, com público, com histórias, com material, com problemas para resolver, situações para lidar, tempo para matar, orçamento e sensibilidades para gerir. Porque acima de tudo os Moonspell dão concertos a sério, não metemos meia dúzia de discos numa mala e vamos passar música, nada contra quem faz isso, é uma maneira diferente de tocar as e para as pessoas, mas não pode nem deve ser confundido com música ao vivo, concertos, material, carregar coisas, adaptar palcos, estar ali perante o julgamento do publico que, nesta tour, esteve não só à nossa frente mas também ao nosso lado. Foram 28 concertos, todos diferentes e importantes. Percorremos os EUA de ponta à ponta, começando por Miami e acabando aqui em S.Francisco. Visitámos 23 estados. Estivemos à conversa tanto com os Rammstein em LA como com os vagabundos em Filadélfia. Vimos muita coisa, experimentámos outras tantas. Estivemos em cidades magníficas como em Nova Iorque, Filadélfia (onde corremos pela escadaria do Rocky), ou Chicago e Vegas. Estivemos noutros sítios mais tranquilos, menos espampanantes e em todos eles fomos nós próprios. Metaleiros, portugueses, europeus. E fizemos muitos amigos.

São esses amigos que há pouco abracei. Foi este público de S.Francisco que nos fez uma despedida feliz , um até já, na melhor das hipóteses. Agora é tempo de voltar e para Moonspell voltar é sempre bom, adoramos o nosso pais, eu nunca viveria noutro lado. Até porque vou vivendo. E foi a minha, nossa vida que aqui vos procurei contar.


Agora é tempo de preparar o nosso regresso, ainda por cima com um concerto, Festirock, Montijo (www.feedbackproductions.com, ou 916737376) no dia 29 de Novembro, e depois partir para mais vinte e poucos dias na Europa, a começar em Londres no dia 1 de Dezembro.



Obrigado a todos e até sempre!

Fernando Ribeiro moonspell.com
www.myspace.com/moonspell

por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(3)
2008-11-10 09:45:25

Moonspell - Day Eighteen

Portland e Seattle

Fim de semana



Depois da correria entre Vegas e Los Angeles, e dos concertos e folgas passadas, entramos na recta final desta aventura. Amanhã, S.Francisco recebe o último concerto desta tour e já há no ar um sentimento de fim, de melancolia, mas também de alivio, enfim emoções contraditórias numa vida que tem tantos fins como começos. Afinal, daqui a uns meses estaremos, quase de certeza, de volta para repetir o bom e o mau que a vida na estrada carrega consigo.



A plateia de Portland é hostil e velha guarda, o que só faz o concerto saber melhor no fim, enquanto que em Seattle a recepção é entusiástica desde o principio. Quando no fim do concerto de uma banda suporte, que em 25 minutos, com um palco reduzido ao mínimo pela artilharia dos cabeças de cartaz (e por alguma teimosia do stage manager que desde o principio ninguém percebeu o que anda aqui a fazer), a reacção é ter o público todo a gritar por mais um tema, acho que fizemos tudo o que nos era exigido e desmontar o material, aguardando um dia mais pelo merecido duche, é algo que fazemos com um sorriso interior. Que me lembre este chamamento aconteceu por mais quatro vezes, e é algo a reter para futuras ocasiões.



Os momentos de lazer são os mesmos de sempre, a temperatura da cerveja mostrada por um rótulo que muda de cor, o passeio pelos nomes nos posters que decoram os clubes e que trazem lembranças e responsabilidades acrescidas (Sisters of Mercy, Bauhaus, TypeO Negative, Peter Gabriel, Sting...), as refeições e a curiosidade de uma gorgjeta, as paragens rápidas nas enormes estações de serviços para tarte de maçã e gelado, as pequenas observações das pessoas, das silhuetas, das montanhas, a constatação de que não há sítio mais solitário que um camarim quando se esvazia do artista.

Amanhã espera-nos o mítico Warfield, onde os Slayer gravaram um dos seus DVDs mais emblemáticos, espera-nos S.Francisco, uma cidade divida por este mesmo Warfield, que se interpõe entre o esplendor da energia desta jóia californiana e a miséria dos seus enjeitados. Depois o regresso. Mas antes dele as milhas, as palavras, as reticências...a estrada.



Boa semana!

por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(2)
2008-11-06 07:18:17

Moonspell - Day Seventeen

(viva) Las Vegas e (talvez nem tanto) Los Angeles

Por onde começar?



Bem, pelo fim da noite de ontem, mais um concerto com sucesso, apimentado pelo facto de termos conhecido os Hell's Angels (motoqueiros) um pouco antes de eles darem cabo do canastro de um desgraçado que se cruzou no caminho deles. Foi acção à antiga, contrastando com a cortesia com que eles nos trataram e as conversas com os fãs locais que nos apoiam há anos neste território por vezes impossível de furar.



Acordar em Las Vegas, à porta do Hard Rock Hotel é surreal no mínimo. Arrumar o saquinho de roupa suja no meio de Vegas, enfim, a rotina de sempre no mais absudo dos sítios. A "manhã" passamo-la a passear, no meio da avenida (strip) a ver as cidades de pladur dentro da cidade inventada. Picamos o ponto no famoso show de águas do Bellagio (ver Oceans 11), passamos por Paris, Veneza, Manhattan (com a sua delirante montanha-russa que o Ricardo e o Aires repetem) e voltamos cansados das dozes de luz que começa a aparecer por todo o lado e da caminhada internacional que fazemos em meia dúzia de metros.






Que dizer de um concerto na terra do puro espectáculo? Perante pessoas habituadas a tudo, somos nós próprios, portugueses e metaleiros e no final da noite, o saldo é positivo, mais umas compras, mais uma festa, e uma viagem curta depois de uma noite longa até aos estúdios da Universal em Los Angeles que com Vegas forma um par de fantasia, alguma falsidade e muito folclore americano.



O concerto é um pouco frio, aquece o que pode em 25 minutos de tempo útil, mas a quantidade de "cromos" na área VIP promete conversas. Afinal praticamente começamos o dia com uma entrevista feita por uma ex-acrtiz porno (filmes para adultos, desculpem) convertida ao jornalismo metaleiro. Isso diz tudo de LA, uma cidade que parece só sonhar e que assim torna as pessoas, os sítios, os ambientes, as palavras, um bocadinho menos reais, como que, lá está, anjos que não sabem para onde ir.



A quantidade de pessoas que conheci ou revi hoje é também ela irreal, a minha carteira rebenta de cartões de visita mas é assim que se explica uma terra em que toda a gente parece importante, até eu. E assim sendo vou exercer essa importância no bar VIP, já que para a semana, com um grande sorriso, voltarei à minha casa, ao meu sofá, aos meus gatos e à mulher que amo.


por: moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(2)
2008-11-03 07:37:59

Moonspell - Day Fifteen

New México



Amanhã, começa a última semana da tour. Há sempre uma dupla nostalgia entre dei esta vida da estrada, que flutua muitas vezes entre o tédio e a euforia, e voltar a casa para aquilo que conhecemos e amamos tanto como a música que nos trouxe até este clube bem apertado em Farmington, no Estado do Novo México.



Embalados ainda pelo espírito da noite das bruxas, passamos pelo palco do fillmore em Denver com uma das melhores reacções da tour. Cá fora há churrasco nocturno, cortesia do tour manager dos Dimmu Borgir e é ver a comitiva Portuguesa a grelhar e a comer, alheia às festas após concerto, aos contactos sociais e profissionais, mas atenta ao virar das carnes e à variedade dos molhos, existe até um de Jack Daniels (bourbon) para os mais aventureiros.



A estrada para o Novo México é dura e cheia de perigos, com algumas paisagens deslumbrantes na noite, reservas de índios, horizontes rubros. O autocarro ressente-se da viagem e até durante a noite dois mecânicos trabalham com afinco para reparar o motor. Acordo para saber de repente que os Dimmu cancelaram por razões de espaço para o seu material, palco modesto, verifico agora e que fomos "promovidos"a cabeças de cartaz à última da hora. Podíamos também caminhar tranquilos para hotel, pois foi-nos dada a opção de cancelarmos também, mas não foi para isso que viemos de tão longe, o que faríamos com este Domingo também?, e a quantidade de pessoas que ficaram mesmo sem a presença da banda principal merece tudo o que tivermos para dar.

Comemos sandes todo o dia mas a força vai ser exactamente a mesma!


Amanhã viajamos para a tranquilidade do Arizona e depois, através do deserto, para a Disneylândia fora de horas, a cidade de Las Vegas. Vai ser duro Las Vegas, Los Angeles, sítios quentes e com gente por todo o lado, amigos, editoras, fãs, sponsors, celebridades mas depois deste Domingo de sonos é agitação que se precisa.


por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2008-11-02 07:58:00

Moonspell - Day Fourteen

Kansas City, Missouri, HALLOWEEN!!!

This is Halloween,

This is Halloween,  

This is Halloween,  

This is Halloween,

Everybody scream!

In this town of Halloween...

 

Pois é, passar esta data nos EUA tem um sabor completamente diferente. Toda a gente se veste a rigor, os sítios estão decorados, há um ambiente óptimo nas ruas e nos palcos, toda a gente fez a sua piada e teve o seu momento. Os Dimmu foram sem maquilhagem para o palco, é bom ver que ainda há algum sentido de humor no Black Metal, a crew deles com a pintura que eles costumam usar; nós exagerámos na nossa maquilhagem e daqui a pouco vou ter a oportunidade de ver Danzig a tocar nesta data Que sorte! Perfeito seria se ele tocasse Halloween dos Misfits, mas acho que isso é pedir demais. Por isso tenho de me despachar, eheh.

 




O concerto foi óptimo, ontem tínhamos tido uma falha de corrente logo a primeiro tema, algo sempre complicado de resolver, é a nossa sina, a falta de corrente, e as tours tem este lado óptimo, um concerto compensa o outro. Agora é tempo de abrir outra cerveja, chegarmo-nos à frente no público mais logo outro diner, o bom costume, a boa memória e outra noite das bruxas, que voam lá fora à nossa espera.





Mmmuuuuuuuahahahahahahahahahaha....

Fernando Ribeiro

por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2008-10-31 07:32:14

Moonspell - Day Thirteen

Dallas, Texas 30

 

Nem parece verdade. O imaginário que este nome traz consigo é poderoso, colou famílias Portuguesas coladas à televisão e ganhou espaço no nosso panteão e léxico. Uma realidade tão próxima como distante já que daqui do clube apenas se vê uma silhueta prateada num fundo de céu azul...

O estado do Texas é quase como se fosse um país diferente dos EUA, com leis , visões e poderes próprios que se notam na atitude orgulhosa dos texanos, na maneira como comportam e vêem o mundo. Don't mess with Texas.


Hoje é também um dia de nervos para todos os bateristas da tour já que há uma visita prometida do Vinnie Paul, baterista dos Pantera e amigo de longa data de muita gente desta tour. A noite adivinha-se longa e o stock de bebidas foi reforçado no camarim de Danzig, para onde muita gente se deve dirigir após os concertos.


Hoje janta-se cedo e em ambiente quase de família, as boas tours são assim. Entrevisto o Black Label Dave (na foto tremida connosco...) e já se ouvem os primeiros acordes da primeira banda. É tempo de trocar as teclas pelos gritos. Até amanhã... vou vestir-me.

por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2008-10-30 07:17:39

Moonspell - Day Twelve

Saint António, Texas, 30/8/2008



St António, Texas, foi a primeira cidade que visitámos para tocar nos EUA, corria o ano de 1999. O pasmo foi enorme, um festival de bandas Metal, com gente por todo o lado, actrizes porno a assinarem filmes, wrestling, death metal, gente, gente, gente e nós de boca aberta, a tentar absorver tudo. Passaram quase dez anos, alguns regressos, e hoje o clube e o feeling é de reconhecimento e intensidade. Banho tomado, concerto quente, bem quente, é tempo do meu momento Victor Baptista. Vejamos:

- Victor Baptista foi um dos melhores jogadores da época dos Setenta, se não me engano jogou no Vitória de Setúbal, mas que se notabilizou no Benfica. Não me perguntem como, ou melhor perguntem quando for ai ao programa, conheci-o na Lagoa de Albufeira, o meu pai pagou-lhe um copo e ele, lá de longe, acertou com uma bola numa janela aberta, coisa quase impossível, etc. Bem, reza a lenda, que ele parou um jogo para procurar o brinco, que lhe tinha caído. Hoje passou-se coisa parecida comigo. Sem eu notar, o meu brinco de estimação deve ter caído durante o headbanging do concerto de Moon. Feitos os agradecimentos e arrumado o material, tempo de duche. E eis que noto a falta do brinco. Revolvida a casa de banho, que não é tarefa fácil depois da comitiva de vinte e tal pessoas ter passado e se banhado por lá. Nada. Depois de recriar o percurso vinte vezes desisti e vim para o autocarro. Nisto, o inesperado...o concerto de Dimmu que, entretanto, decorria, pára! Os alarmes de incêndio dispararam porque havia fumo a mais no clube que permite fumadores, uma "excentricidade" do Texas, e tem de se parar o concerto. O tempo de solução demora e na última das últimas tentativas ofereço uma refeição no diner que vamos a seguir. O técnico de Dimmu tem uma revelação e diz que viu algo no palco parecido com o meu brinco!!! Cinco minutos depois, dou saltos de alegria cá fora de brinco encontrado, e o concerto retoma!!!



Amanhã Dallas, essa cidade mítica, ta nanan ta na na na nan, nan nan na tanana....

Aqui fica a foto do Luke, o homem do merchandise, que aceita propostas de casamento!



E aproxima-se o Halloween.



Sugestão de festa de Halloween para Lisboa:


por: moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2008-10-29 07:12:59

Moonspell - Day Eleven

Houston, Texas, 29/10/2008



Finalmente o calor e as janelas abertas do autocarro! Chegámos ao Texas, terra dos rangers e dos chapéus (se bem que hoje ainda não consegui apanhar nenhum para a posteridade, mas não irei desistir!). A sala House of Blues, uma cadeia de salas para música ao vivo nos EUA tem apenas três semanas e cheira a nova mas também se sente a inexperiência da juventude. Hoje dois técnicos de monição foram mandados para casa e os meus ouvidos conseguem vos dizer porquê...

Gosto de muita, muita coisa nos EUA, mas há uma parte que detesto. O nosso condutor também está por um fio, resmunga todos os dias infantilmente, e um dos técnicos da comitiva faz o mesmo, chega a roçar a xenofobia, porque não estão habituados a pessoas assim. Sim é um facto que não há muitos Portugueses a fazer o que fazemos mas isso não nos torna piores ou esquisitos. Ele é queixas do ar condicionado, comida, do tempo, faz-me pensar onde estão os homens nesta terra? Neste autocarro parece que só nos mandaram miúdos..wtf...




Desabafos à parte, o Texas é um óptimo sítio para tocar e depois de um dia de folga a comer panquecas e a coleccionar mais cromos americanos (o rapaz na foto chama-se Chris e trabalha na IHOP- international house of pancakes; o outro guloso é o nosso técnico de som o ilustríssimo Jorge Pina) sabe bem enferrujar.



Mas hoje é tipo dia de raiva, não me digam nada! Odeio a capacidade dos americanos em arranjar problema onde eles não existem e isso está-me a subir à cabeça...bem, o que posso fazer? Faltam doze concertos, nove de seguida se fiz bem as contas, amanhã o sol nasce outra vez e cá estarei eu para vos relatar tudo do sangue, suor e lágrimas se não se o condutor não nos parar de chatear!

por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(3)
2008-10-27 07:06:23

Moonspell - Day Ten

St.Louis, Missouri 24/10/08



Detroit


Don't believe the hype. Na cidade mais agressiva da América, passámos um dia de folga tranquilo. Ficámos mais perto do centro do que esperávamos, e não houve aventura nenhuma em percorrer uns quantos quarteirões e acomodarmo-nos num belo bar Irlandês (hello, Botas!), e ao som de Led Zepellin, beber umas ruivas e pretas. A comida era deliciosa, rolo de carne com molho Jameson, uma especialidade! Ficámos alojados no antigo Sheraton, agora Riverside, um daqueles hotéis cujos tempos de esplendor apenas se pressentem pela grandiosidade das linhas, dos serviços, das estrelinhas nos andares todos, dos nomes promissores anexos às penthouses e vip suites.



O local do concerto é fronteiro ao estádio dos Detroit Tigers, equipa local de basebol, e um dos palcos principais da mítica reunião dos Kiss, onde gravaram o vídeo clip de Shout it Loud! Fotografias da praxe tiradas, o tempo voa até ao concerto, que começa frio mas acaba muito bem, passando os vossos enviados com boa note perante, esse sim, o público duro de Detroit.



Mas nem todos são duros: um dos seguranças (aqueles senhores pequeninos à frente do palco) ameaça processar o vocalista da primeira banda por agressão, só porque este lhe entornou um bocado de água em cima, tipo cuspidela, sem intenção alguma...avisado pela própria tour manager de Danzig, resta-me engolir as regras.



Chicago



Começa por um pequeno almoço da pizza tradicional de Chicago, trazida quentinho do Gino's pelo nosso bom americano, o nosso Mark. Dividas as compras do Best Buy, e lá estão os Moonspell "quitados" com câmaras novas, ipods, filmes, fones, graças à crise do dólar.



Depois, um dos momentos mais aguardados da tour: a primeira visita a uma lavandaria automática!!! É sempre um ritual específico: acordar o pessoal, juntar a roupa, fazer os sacos, entrar, trocar notas por moedas de 25 cêntimos, encher a máquina, esperar meia hora, ir buscar café, ler um livrito, secar a roupa, dobrar e , no fim, verificar que está tudo um tamanho abaixo.








Apertadinhos na roupa lavada damos dois concertos de seguida com uma reacção brutal! Seria o cheiro a amaciador? Facto é que em Chicago, quebramos o recorde de vendas de merchandise desta tour e o Domingo em St.Louis não é tão lento como os outros! Passa rápido e bem e sem darmos quase por isso o autocarro arranca em direcção ao Texas.

Dia de folga amanhã, por isso "falamos" Quarta! Um abraço, uma harmónica e uma estrada infindável.



por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(3)
2008-10-23 08:16:52

Moonspell - Day Nine

Minneapolis, Minnesota, 23/10/08

Está frio, frio, frio. Acordamos no meio de um "mall", que são áreas comerciais com vários blocos de lojas imensas, um pouco como os retails parks dos subúrbios de Lisboa, mas de proporções gigantescas. Saio para compras, preciso de meias e tem ser pretas (a meia branca ainda é uma instituição nos EUA) e o dia praticamente se esfuma em ver prateleiras infindáveis de coisas e mais coisas, a perder de vista...e são só mesmo as meias pretas que trago já que ao olhar para tanto só me apeteceu levar...nada. Foi o que fiz.




O concerto é como o dia, um bocado cinzento para todas as bandas. Nem sempre o frio fica lá fora, mas fez-se o que pode e os ânimos lá subiram para gáudio da menina da Jeigermaster que, apesar de ter chamado mais atenção sobre ela do que as bandas no palco, vê a venda dos seus shots aumentarem ainda mais com o calor.



O aftershow é bem mais animado do que o show. Uma visita a um bar americano torna-se uma odisseia de cerveja e petiscos de tal ordem gordurosa como asas de galinha, palitos fritos de mozarella, aros de cebola frita, com direito a desafio: comer 12 asas de galinha no limite do picante em 6 minutos, tarefa que o nosso baixista Aires despacha em 3 minutos sendo contemplado com uma t-shirt e com as próprias asas de galinha (uma vaquinha entre o pessoal que lhas pagou) e um chapéu estúpido que ninguém resiste a usar.



A viagem hoje é até ao hotel próximo de Detroit, uma das cidades mais violentas da América, casa da Ford e coração da indústria automóvel dos Estados Unidos. Público duro também. Mas ao pé do sítio onde tocamos (Filmore Theatre), há um diner tipo Anos 50, que acolherá as nossas derrotas, empates ou vitórias, da mesma maneira de sempre: simpática e gulosa.

Antes disso folga. Vemo-nos depois de amanhã.


por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2008-10-22 08:27:37

Moonspell - Day Eight

Milwaukee, Winsconsin, 22/10/08



Depois do dia esquisito, voltámos às vitórias J. Um concerto com alma cura todos os problemas e aborrecimentos. Milwaukee é um talismã para nós e a sua maioria de fans old school começou com frieza mas no fim todos com as mãos estendidas para nós, a saudar-nos, muito bom. O sítio onde tocámos é o mítico Rave Club. Faz parte de um casarão antigo, construído pelos anos 40/50, que tem um salão enorme onde na primeira vez que tocámos neste clube tivemos oportunidade de ver wrestling ao vivo. A casa parece uma mansão assombrada (há quem afirme que sim) dizem que é, e, na verdade o nosso camarim dava um cenário perfeito de filme de terror, parece, aliás o cenário da casa de banho do primeiro Saw.



Esta rua é fértil em pormenores macabros. Mais abaixo, two blocks away, o infame Ambassador Inn, onde Jefrey Dahmer (o canibal de Milwaukee, serial killer dos anos 80) engatava as suas vítimas. Tomámos banho no quarto 1320, e não nos aconteceu nada. Seria o quarto certo?



A aproximação do Halloween (faltam 8 dias) já se sente nas ruas, nas lojas, nos diners. É uma data importante aqui e as pessoas capricham. Nós estamos perfeitamente ambientados. Até gostamos de estar rodeados por estes artefactos, caveiras, abóboras, morcegos, enquanto devoramos panquecas e café. Hoje o nosso bom amigo Mark, de Chicago faz-nos uma visita mima-nos com presentes de diversa ordem: manteiga de amendoim orgânico, salary (uma espécie de aipo), cervejas gourmet, uma edição especial de Haloween, cerveja feita a partir da abóbora, a edição especial do Nightmare Before Christmas (yes!), o dvd do Iron Man...A alcunha do Mark é "o bom americano", porque ele é como se imagina aquele Americano dos anos 50, bonacheirão, generoso, com ideias e ideais. Tenho que meter aqui uma foto dele.





Agora é tempo de voltar à estrada. A caminho do Minesotta.

por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)
2008-10-21 06:53:47

Moonspell - Day Seven

Grand Rapids, Michigan, 20/10/08

 

Existe aquela ideia que a vida na estrada é uma festa, um corrupio para o qual as 24 horas do dia são insuficientes, uma adrenalina que puxa cada vez mais e que nos entrega ao nosso beliche exaustos, satisfeitos ou frustrados, mas sempre no limite das nossas forças. Quem nos visse aqui hoje, no meio do nada, num clube de rock à americana (lembram-se do filme Roadhouse com o Patrick Swayze?), provavelmente iria começar a reconhecer, como quem vive esta e desta vida, que não é necessariamente assim.

 

Também há noites lentas, de considerável pasmaceira e chuva miudinha, que puxam à preguiça (os Estados Unidos são tão complicados depois de Nova Iorque...) e a questões mais ou menos existenciais como: " o que dizer a um teclista de uma banda de Black Metal, quando este espirra? Santinho (bless you) ou Maldito sejas! (curse you) ???" São estes tipos de questões que me ocorrem nesta Segunda, prestes a transformar-se em Terça ai por terras de Portugal. Uma Segunda onde a nossa companhia de merchandise se esqueceu de nos enviar um reforço de t-shirts, vamos só vender CDs e palhetas, onde levei uma banhada de uma entrevista para a qual me levantei de propósito da cama, e por aí fora.

 

Just another manic Monday, cantavam as Bangles, com razão intemporal, penso eu no palco, com a barriga a dar horas, enganada por batatas/tortillas e cerveja corona. Pensando no banho quente que se segue e o jantar de carne assada à espera no frigorifico.

 

Mas não trocava o meu aborrecimento pelo o dos outros.

por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(2)
2008-10-20 07:59:40

Moonspell - Day Six

Worcester, Massachusets

Canada (Montreal e Toronto)

Fim de semana de 17 a 20 de Outubro



Depois das grandes emoções e do descanso dos guerreiros ainda por terras de Nova Iorque, começamos a subir em direcção ao Norte, ao frio, e às suas gentes. Worcester, com os seus cachorros quentes e visitas da família do Mike (que nasceu, aqui, perto de Boston) já se tornou um ponto de passagem familiar para nós, implicando alguns rituais já comuns, como a visita ao bar irlandês, do outro lado da rua. O concerto tem a melhor resposta que já tivemos por estes sítios, embalados, talvez, pela boa onda de New York No fim do concerto conhecemos uma fã que trabalha num jardim zoológico. Sempre bom conhecer pessoas de áreas bem distintas, apesar do rock'n'roll ser também ele uma espécie de zoo, por vezes.





Chegamos ao Canadá e alinhamo-nos todos na fronteira terrestre para a identificação do costume. Montreal é um pouco como a Europa, com um backstage comunal, onde todos se cruzam. Moonspell é um nome já mais estabelecido e com os astros alinhados, a noite de Sábado é gloriosa e termina em beleza, connosco no público a desfrutar mais um poderoso concerto de Danzig. Dirty black summer...




Domingo é sempre um dia dado à melancolia. Fico no autocarro a maioria do dia, em chinelos, a ver filmes, tal qual um Domingo em casa. Mas este é um domingo no mundo, outro domingo no mundo, e é tempo de sair do casulo e ir tocar. Afinal, saio para uma doca com uma vista magnífica de Toronto que, de alguma maneira inspira o concerto, que, com os seus tiques domingueiros, acaba por passar bem.



De volta "a casa", tudo sobre rodas, vamos a caminho dos EUA outra vez, e começamos a segunda parte da nossa travessia, pelo estado de Michigan.

por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2008-10-17 07:39:29
2008-10-16 07:12:20

Moonspell - Day Four

New York, New York





Por muito que se volte, ou voltas dê, vem-se aqui parar e gosta-se outra, e outra vez. Mas como acredito, pelo menos na ultima semana que estive em Portugal, todos os cronistas do Expresso à Visão escreviam crónicas sobre ou a redor de Nova Iorque. Não os quero repetir, por isso eis aqui algo que eles não fariam:





De "manhã", lá matámos a fome de panquecas, de compras, de vistas largas e altas. Ontem de noite à procura de mais papinha, fomos abordados pelos sem abrigos que contam anedotas, a melhor: (50 cêntimos à peça):


How come Santa (Claus) has no kids? Coz he only comes once a year.

E foi giro andar por ali numas zonas mais ou menos obscuras, muito desaconselhadas, sem medo ou paranóia que é uma constante neste país: não façam isto senão, não vão por aí, não abram as janelas, no falem com estranhos... de volta ao clube uma fã vê-nos e corre com toda a força até nós, levando as barreiras de protecção à frente, literalmente, como um atleta de obstáculos que não os supera, neste caso, da fã, não quis. Um abraço, palavras, e vamos para o ninho que se faz tarde e eu tenho de ligar à Antena3, afinal é a minha voz que agora desperta e entretém o Jorge Botas, não é?

Escurece em Nova Iorque, não neva. Daqui a pouco ali dentro do Roseland mais uma bocado de vida num dos mais belos pedaços do mundo.

Fica uma recordação.





por: Moonspell

link deste artigo | comentar/ver comentários(1)

Junta-te à comunidade no Facebook!



Junta-te à comunidade do Twitter!


        
DomSegTerQuaQuiSexSab
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930 
<7div> <7div>